05/08/2007

GRANDE E ESTÚPIDO

Aonde cheguei, garota?
Os lugares que passei eram tão grandes e agora vivo trancado nesse quarto.
Meus muros, minhas grades, eu tenho tanto medo do sol que escondo meus olhos dele.
Atravessa o vidro frágil e quebradiço, invade minha íris e me causa dor.
Quem são vocês ao meu redor, agente não se conhece faz tempo.
Se às vezes tenho dúvidas se continuo sendo o mesmo, tenho certezas que você não é.
Meu mundo de estranhos.
Ontem não joguei bem... Hoje não pretendo beber.
Não sei... Mas algo está estranho... Algo está mudado... Algo não está certo
Serei eu “algo”?
São tantas perguntas sem respostas como violência sem motivo.
É tanta burrice que minha cabeça dói diante de tais complexidades filosóficas.
Que sou eu para falar de filosofia? Maldito e pequeno homem...
Um gigante estúpido de burrice e aspereza... Rude... Meu segundo nome...
Terça feira que vem tudo muda... Ainda bem que minha mente é ridiculamente fútil.
E consigo esquecer tudo que sinto dois dias atrás...
Agora eu cheguei...

Sem comentários:

Enviar um comentário

AVISO: O sistema de comentários está aberto a todos os leitores, no entanto sinto-me no direito de apagar qualquer coisa que julgue ofensiva. Obrigado .