05/08/2007

O CALOR DA FEBRE DOS ANJOS

Nem em um milhão de anos esquecerei de você.
Nem se somarem a essa, mais mil vidas.
E mesmo que assim EU fique menos egoísta
Que a meu lado só e apenas bons e justos

Não conseguirei...

Já não sei quanto tempo corro do medo
Enfrento mais um dia como um cão faminto
Daqueles que vivem a esperar sua oportunidade
Qualquer erro de uma ou outra verdade.

Quantas verdades existem?
Não pode ser maior que a quantidade de pessoas
Ninguém disse que ia ser fácil
Más também não me ensinaram a andar pelo caminho difícil.

Acordo hoje e vou morrer no calor da febre dos anjos
Eu não sou mais criança, só assim descobri o que quero
Mas nem assim sei o que tenho,
Ou se quero mais do que isso...

Sem comentários:

Enviar um comentário

AVISO: O sistema de comentários está aberto a todos os leitores, no entanto sinto-me no direito de apagar qualquer coisa que julgue ofensiva. Obrigado .