20/03/2008

SANGUE E CHÁ

Amor, eu sei das quantas vezes que me perdi.
Quando acordei durante a noite fria e olhei a janela.
Sem saber ao certo o que procurar e nem mesmo ter certeza se estava à procura de algo.
Amor, as vezes tenho medo de encontrar a razão.
Tenho medo de procurar certas coisas, muitas vezes achamos outras (que muitas vezes não queremos encontrar).
Não creio que o destino seja isso que tem me acompanhado.
Não é bom e nem é feliz. Quero acordar e quero dormir.
Aponta nesse papel o que tens para dizer, pois se esqueceres, não me parecerá importante.
Amor, tenho medo que esqueças nossa cor, meu aniversário.
Deixe isso para mim, eu que sou o desorganizado.
Seleccionei atitudes inconscientes para incomodar os à volta.
Amor, não me deixe esquecer quem sou e porque que eu estou aqui.
Não me deixe mudar tanto. Eu já mudei demais.

1 comentário:

AVISO: O sistema de comentários está aberto a todos os leitores, no entanto sinto-me no direito de apagar qualquer coisa que julgue ofensiva. Obrigado .