09/05/2008

Sobre o Tempo e a Asa


à E. Fernandes

É chegado o tempo de ser maior. Porem não se sabe por aqui como voar.
Nunca nos enviaram um manual se quer. Acho que percebi tudo.
É que não vamos saber, nem hoje, nem nunca. Percebi que não somos anjos.
Passa apressado, paço apertado. Na cabeça vai um péssimo pensamento.
Passa mal e mais uma vez, passa sem pensar em nada de bom.
Quando eu esticar minha mão, não me ajude, deixe-me lá.
Pois por mais que eu tenha medo, prefiro ter medo que ter vergonha de ser como um de vós.
Você não me conhece. Eu nunca te fiz mal, nunca virei-te às costas, pois nunca estive lá contigo.
Eu, para você, nunca fui eu. Nunca foi necessário, nunca preciso, não exacto.
É chegado o tempo de ser o real, o acordado, com baixas taxas de açúcar.
Literalmente dietético, plástico, artificial, sabor baunilha.
É a chegada. E à partida, já sabia quão difícil era ganhar. Mas eu venci, nem que tivesse sido o meu medo.
Meu irmão. é chegado o tempo. Mesmo com o doce do teu olhar rasgado.
Com a sapiência do cordial aperto de mão, é chagada a hora de ir. E fui.
Está chegando a hora de ir, eu quero, necessito, mas a grande pergunta é “-posso?”
É chegada a hora de voar e não tenho asas.

4 comentários:

  1. Alma:

    Hey. Olá. Está tudo? Lembras-te? .. Pois.
    Sou o teu anjo. Aquele que sempre esteve presente, ou aquele que tentou estar.
    Aquele que acordava cedo só para te olhar. Olhar por ti. Tocava-te para transmitir algo.

    Protecçao.
    Que falava contigo nos teus sonhos. Que falava apenas com o teu corpo adormecido. Que

    sussurrava. Aquele que afugentava os teus pensamentos. Pensamentos negativos.
    A tua mão. Alias, a minha. A nossa...
    Quando sorrias sem saber porquê. Era o teu anjo por perto. Lembras-te?
    Fala-me de mim.
    Diz-me quem sou.
    Desculpa? .. Não sabes? Eu também não.
    Quem era?
    Aah. Sim, eu mesmo. O extrovertido, o alegre, o apaixonado, o amigo, o pilar da tua

    felicidade em tempos. O que te fazia rir por ter piada, ou te obrigava só para nao se

    sentir mal. O que sonhava, contigo. Contigo no sonho. O sonho connosco. O nosso sonho.
    Sim, sou eu. Ou era. Continuo aqui. Será que voltei? Penso que sim...
    Aprendi a rir. Aprendi a esquecer o mau e lembrar so o que é bom. Pois assim, nao perco

    nada, nao tenho nada a perder.

    Hey, estou aqui! Vem a mim. Toca-me, sente-me! Não sentes a bolha que nos envolve?
    Não?

    Já nao precisas...

    ResponderEliminar
  2. Ruben,

    Tu é magnifico puto. Inconscientemente magnifico.

    Obrigado, Irmão!

    ResponderEliminar
  3. A tua força, é tua, apenas tua... Não partilhes com os outros. Ou alias, partilha, mas nao a entregues.
    Podes-te magoar a serio. Não sejas um anjo, ou nao te sintas como tal. Alias, nao deixes que te vejam como tal. És apenas um corpo, solido e quente.

    Nao sonhes alto demais, mantem pés acentes na terra. Contacta com a terra, sentir-te-às vivo.
    Nunca te esquecas... Tudo o que tu tens, pode ser pouco, mas é tudo! E nunca entregues isso a ninguem. Nunca te dês. Tu sabes, eu sei. Toda a gente sabe. Mas poucos são os que controlam. E é aí que eu vou estar, puxar-te cá para baixo para que nao voes alto demais. Sonha só, nao voes. Sonha cá em baixo.

    Os pobres não têm asas, mas vivem.

    ;) Abraço!

    ResponderEliminar
  4. nossa,parebens pelo texto

    sempre com palavras sábias

    o anjo q não tem asas,muito criativo!

    ResponderEliminar

AVISO: O sistema de comentários está aberto a todos os leitores, no entanto sinto-me no direito de apagar qualquer coisa que julgue ofensiva. Obrigado .