31/08/2009

CONHEÇO A DANÇA, MAS NÃO SEI DANÇAR

Dedicada a Bahia

Iaiá, não tenha vergonha do teu rebolado,
Mostre para nós o que o estudo chama cultura e tu chamas desejo.
Dança para mim com a canção escolhida, sinto falta disso demais.
E de cada pedra da ladeira da Lapa.
De cada costela de que tu és feita.
Iaiá, ninguém sabe o quanto ti quero bem.
Também não falei, nem se quer tu sabes.
Só quero pode te chamar de amor.
Cada vez que teu corpo girar.
Queria poder enviar-te meu pó, se longe morrer com saudade demais.
Não sei se me queres assim, todo partido e sujo de vida.
Ando cansado é de tanto pensar.
Poesia que me escapa agora eu fiz para ti, antes de tu querer, depois de me apaixonar.
Eu já cá estava, depois arrependi com a falta que faz.
Podes negar, mas estejas certa. Não faças como eu que me arrependi.
Uma vez te deixei, nunca mais vou fazer.
Se eu pudesse voltar atrás, aprenderia com o erro dos muitos que erram.
Quando quero falar, falo com fé. Quando quero mentir, é recuar.
Deus sabe de nós, Iaiá, não me venha sem amor.
Eu já sei teu amor e teu preço, do calor e do endereço.

Sem comentários:

Enviar um comentário

AVISO: O sistema de comentários está aberto a todos os leitores, no entanto sinto-me no direito de apagar qualquer coisa que julgue ofensiva. Obrigado .