26/08/2010

ATÉ ALGUÉM DUVIDAR

Eu poderia dizer todas as coisas que queres ouvir,
mas de fato percebo que não irá funcionar.
Tudo é fagulha, escolha e vento.
Tudo é passado e futuro, é tempo.

Eu poderia ser o que tu quisesses que eu fosse,
mas de fato, percebo que não ganhamos os dois.
Vida a tudo fecunda, nem sempre da melhor forma,
Tudo é "velho, velho e menina".

E se eu ficasse cego, ou azul, se eu mudasse o tom,
Seria tudo igual como era antes?
Tudo muda, afunda e emerge,
Tudo é esquecido no amor e jogado na raiva.

Não me faça nada que tu mesma não tenhas os teus proveitos,
Não convença de coisas que tu mesma não acreditas.
Tudo é seco, verde e com calorias,
Tudo é sonho, sono e alergias.

Tudo era simples, até alguém duvidar.

4 comentários:

  1. Somos ou podemos ser o que os outros querem que a gente seja, mesmo que não sejamos aquilo, no final o que somos vai prevalecer sobre tudo, devemos ser aquilo que somos e que acreditamos ser.

    ResponderEliminar
  2. pois é, porque se ñ formos pelo menos aquilo que acreditamos ser... algo dentro da gente vai fikar nu vacuo. quando paramos pra ser mais agente ficamos mais plenos de nos. e passamos a não se incomodar tanto com qualquer opinião boba ao nosso respeito.
    e outra coisa todas as nossas atitudes temos que nos reponsabilizar por elas, ñ podemos esperar muito dos outros se não acabamos sobrecarregando muito as pessoas a nossa volta.

    ResponderEliminar
  3. E quando se acredita que temos o controle de todas as coisas, heis que elas nos gritam quem tem a autoridade. Não se pode esconder, o tempo é maior mesmo que nós que o construímos, tudo o que temos é um pedaço de presente
    rs
    É engraçado; vivemos com sísifo: enganamos os deuses, a morte até, mas, no fim, o tempo é a montanha e a verdade que queremos, a pedra.

    ResponderEliminar
  4. Tô ferrada! Vivo duvidando de tudo...
    Já achei seus blogs! Vou dar uma olhada ;-)

    Janira

    ResponderEliminar

AVISO: O sistema de comentários está aberto a todos os leitores, no entanto sinto-me no direito de apagar qualquer coisa que julgue ofensiva. Obrigado .