13/04/2011

O PASSARINHO

E se eu te deixar voar passarinho?
Minha casa ficará sem a música que encanta meu dia triste.
Ficarei também sem poder te olhar, coisa que tanto gosto...
E o tempo voltará a ser seco em mim.

E se eu te deixar ir, passarinho?
Amanhã talvez não amanheça igual,
Minha lembrança será mais amarga.
Minha voz menos atrevida, pois não terei para quem me aparecer.

E se eu te forçar a ficar, passarinho?
Sentirei-me sempre o teu carrasco, algoz ou carcereiro.
Pois não nasceste aqui e a mim não pertences.
Serei grade suja, mão fechada e chave perdida.

E seu eu te deixar voar, passarinho?
Verei a porta aberta para qualquer outro não igual a ti,
Que não cantará igual, mesmo que seja igualmente belo...
Mesmo que tenha as mesmas cores ao redor.

E se eu te deixar ir, passarinho?
Sabes que levarás contigo pedaço de mim, que nunca mais darei a ninguém,
Pois não costumo tomar o que dei,
Tão pouco doar o que não é meu.

E se eu te forçar a ficar, passarinho?
Talvez eu nunca mais ouça teu canto, como antes,
Cada vez mais fraco, até emudecer.
Ou talvez tão seco, que me convencerá, mesmo sem querer, a deixar-te ir.

Pois quando estavas em minha mão, quiseste ficar,
Mas os ventos também eram outros e aquele parque não tinha paredes...

Se ir, ou se voar, ou se até mesmo eu forçar, não devia ser coisa de questionar,
Gostaria só de estar perto para poder cuidar...

7 comentários:

  1. Lindo poema sobre o amor, Wendell. Principalmente as três primeiras estrofes. Gostei da melancolia e da ternura presentes na figura do Eu-lírico, "dono do passarinho", sem pieguismo. É um grande dilema ter que escolher entre a liberdade do outro e o nosso apego.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Ainda bem que foi generoso... A pior coisa que existe é estar numa gaiola invisível.

      Eliminar
  3. faltam mais escritos teus por aqui. cadê?

    ResponderEliminar

AVISO: O sistema de comentários está aberto a todos os leitores, no entanto sinto-me no direito de apagar qualquer coisa que julgue ofensiva. Obrigado .